Inovações

“Assim como a energia é a base da vida e as ideias a fonte da inovação, também a inovação é a centelha vital de todas mudanças, melhorias e progresso humano.” 
Theodore Levitt



O espírito de inovação é a pedra angular do nosso trabalho. Como sempre, estamos atentos à pesquisa e experimentação destinada ao melhoramento dos produtos existentes mas também à introdução de novidades em linha com as exigências do mercado.



Entre os nossos grandes feitos destacamos o de haver introduzido a tecnologia dos vinhos brancos e dos vinhos tintos para melhorar a qualidade dos produtos, como também das enzimas para libertação da fração aromática dos vinhos e a inibição das lacases e tirosinases.

Entre os nossos grandes feitos destacamos o de haver introduzido a tecnologia dos vinhos brancos e dos vinhos tintos para melhorar a qualidade dos produtos, como também das enzimas para libertação da fração aromática dos vinhos e a inibição das lacases e tirosinases.



Uma das primeiras inovações biotecnológicas, introduzida no longínquo ano de 1988, foi o caseinato de potássio: usado no processo de clarificação dos mostos, é um clarificante de origem proteica, derivado do leite, capaz de adsorver as moléculas oxidadas como as catequinas, as proantociandinas e os metais pesados. Em associação com bentonites e celuloses ativadas de alto poder adsorvente, é usado em mostos e vinhos para exaltar-lhes o património aromático. O caseinato de potássio é capaz de restituir os reflexos esverdeados nobres próprios dos vinhos brancos e as tonalidades mais limpas que caracterizam os rosés, proporcionando maior longevidade aos vinhos.

Um outro passo à frente, desta vez no âmbito da bioproteção, foi possível graças à invenção de Primaflora, uma levedura biológica non-saccharomyces, naturalmente presente nas uvas. Este produto inibe a flora microbiana indesejada, origem da produção de aminas biogénicas e odores a acetamida. A sua ação contribui na manutenção da complexidade gustativa e aromática dos vinhos preservando a pureza expressiva do “terroir”. A sua utilização permite reduzir o teor de anidrido sulfuroso durante o processo de vinificação, aspeto particularmente importante nos vinhos biológicos devido às restrições legais.

A investigação também incidiu sobre os equipamentos. Nesta frente, a inovação de destaque é o Reactivateur (2003), máquina de ponta que permite melhorar a reidratação das leveduras para melhor expressar as suas características fermentativas e a sua atividade celular. Trata-se de um suporte também utilizado durante a fase de refermentação, tanto nos setores enológico como cervejeiro.



A mais recente novidade, por ordem cronológica, é o Control Ferm, apresentado no salão SIMEI 2015. Trata-se de um sistema de controlo automático da fermentação por meio da monitoração do anidrido carbónico e do sulfureto de hidrogénio.

Voltar ao início
This website uses technical and third-party cookies to collect statistical information on users. To find out more and learn how to manage cookies, click here. If you continue browsing the website, going to other areas or selecting an item - for example, an image or a link - you thereby give your consent to the use of cookies and to the other profiling technologies we use. To hide this message, click here..