Etiqueta do carregador de formulários
BR br

Como reconhecer e tratar as viroses da videira

A virose da videira foi "diagnosticada" pela primeira vez, em França, durante o século XIX. No entanto, somente na década de 1960 que esta doença começou a ser falada em Itália. Uma doença que afeta a videira e que exige a adoção de medidas preventivas. Embora sua incidência seja muito alta e os danos resultantes possam afetar até metade da colheita, atualmente não há cura para a virose. E a única forma de "combate" é prevenindo e tratando os vetores. 

 

Basicamente, a virose da videira é transmitida através de três vetores: vegetais (material vegetal infetado), animais (cochonilhas e nematóides), equipamentos de corte usados ​​em plantas doentes. Portanto, a atenção a estes aspetos deve ser elevada. 

Sintomas da virose na videira

Os sintomas da virose na videira são bastante típicos. No entanto, um deles é o principal indicador da doença: o enrolamento folhar. No mês de julho, a começar pela base do ramo, as folhas da videira começam a virar para baixo, encaracolando-se. Também a sua cor muda: nas castas tintas as folhas tornam-se avermelhadas e, nas castas brancas, amareladas, como a antecipar a chegada do outono. As nervuras, por sua vez, permanecem verdes. Quando esta sintomatologia aparece, a virose na videira já está em estágio avançado e o processo degenerativo começou: as videiras afetadas perdem clorofila, o rendimento diminui, a maturação retarda, o teor de açúcar não será elevado e também o mosto terá uma composição diferente. Os danos qualitativos são, portanto, evidentes. 

Além do enrolamento das folhas e da alteração de cor, outros sintomas da virose na videira são: 

 

  • A acentuação da assimetria, dentadura e bordadura das folhas; 
  • O achatamento ou irregularidade dos entrenós; 
  • Uma frutificação (na fase inicial de desenvolvimento dos frutos, logo após a floração) escassa; 

 

Se, por sua vez, os sintomas se manifestarem na primavera, desaparecem no verão e consistem em manchas localizadas avermelhadas ou amareladas sobre o limbo, fala-se de mosaico amarelo 

 

Portanto, para verificar se a videira realmente está afetada pela virose, é preciso coletar uma amostra e submeter a teste molecular e sorológico de precisão. 

Tratamento curativo para a virose da videira

Mais que falar em tratamento curativo contra a virose da videira, é preciso falar de prevenção. 

 

Um dos principais vetores do vírus as cochonilhas, insetos polífagos que se alimentam de seiva e que - durante o inverno - permanecem inativos no lenho das videiras. Capazes de passar aqui todo o seu ciclo biológico, produzem excrementos açucarados dos quais os fungos se nutrem e passam a transmitir diferentes vírus. Embora as larvas recém-saídas dos ovos não sejam infeciosas, elas se tornam infeciosas quando começam a se alimentar da seiva de plantas afetadas pela virose. 

As cochonilhas podem deslocar-se de forma autónoma, viajar por quilômetros suspensas por uma brisa ligeira ou migrar devido às operações de poda. Portanto, proteger-se das cochonilhas é o primeiro passo para proteger a videira da virose (talvez buscar orientações nos serviços fitossanitários da sua área). Por outro lado, é boa prática não dificultar a propagação dos inimigos diretos das cochonilhas: percevejos, joaninhas, fitoseídeos e parasitóides. 

 

Todavia, o vírus também pode ser transmitido por nemátodos (também conhecidos por "vermes cilíndricos"): as espécies mais alongadas apresentam um estilete pontiagudo com o qual se nutrem das raízes das videiras. O vírus, dentro deles, pode viver durante vários anos. Razão pela qual pode ser transmitido de uma planta a outra. O método mais eficaz para a sua prevenção deve ser implementado na criação de plantas novas: naquele momento, deve ser feita uma análise química do solo para decidir quais estratégias implementar com base em suas características. Ou então podem ser utilizados os porta-enxertos enraizados que, provenientes de viveiros que garantem um tratamento sanitário, são inócuos. Se uma planta estiver afetada por nematóides, para evitar viroses, é primordial erradicá-la tendo o cuidado de eliminar completamente as raízes e trabalhar o solo. 

 

Portanto, para prevenir a virose da videira, é preciso antes de tudo verificar se os porta-enxertos estão sãos/saudáveis ​​e que sejam usadas ferramentas de propagação não infetadas. 

Tratar a virose da videira, em agricultura biológica

Para tratar a virose da videira, em agricultura biológica, nos últimos tempos, foi difundido o uso de cobertura verde com Brassicaceae. Esta é uma prática que consiste em semear culturas de crucíferas como uma cultura intercalar: não destinadas à colheita ou consumo, estas plantas aportam melhorias significativas para o solo. As suas raízes, longas e penetrantes, penetram de facto, desenvolvendo uma ação drenante. 

 

A melhor época para fazer a adubação verde é na primavera ou no outono: as Brassicaceae não temem o frio e, no momento da floração plena, aportam grandes quantidades de biomassa para o solo com uma proporção de carbono/nitrogênio similar à do húmus. Ao atrair os nemátodos para as suas raízes, as Brassicaceae libertam isotiocianatos atacando-os e impedindo o seu desenvolvimento. Desta forma, não só se combate os nemátodos, mas fertiliza-se o solo e eliminam-se os parasitas, ajudando o próprio solo a recuperar a capacidade de produzir colheitas de acordo com a doutrina biológica. 

 

Contra as cochonilhas, em vez de inseticidas químicos, podem ser usados ​​óleos vegetais (de menta, pinho ou alcaravia) ou o macerado de samambaia ou de urtiga, a serem aplicados ao longo do ano quando a planta está limpa. 

 

ARTIGOS RELACIONADOS: