Etiqueta do carregador de formulários
Envio standard gratuito de 149.00 to 499.00

Como tratar o Black-rot na vinha

O Black-rot na vinha (ou podridão negra na uva) é uma doença fúngica que, se não tratada, pode durar vários anos. 

 

Inicialmente manifesta-se como lesões em círculos amarelados nas folhas jovens. À medida que as lesões se tornam adultas, adquirem uma cor acastanhada e dão origem a corpos fúngicos semelhantes a minúsculos grãos de pimenta. À medida que a infeção progride, as lesões podem envolver o pecíolo das folhas, sufocando-as. Finalmente, o fungo afeta os brotos causando grandes lesões elípticas de cor escura. 

 

Originária da América do Norte, a podridão negra chegou à França no final do século XIX e espalhou-se pelo resto da Europa. Em Itália não é particularmente frequente, mas onde foi identificada, tem causado danos variáveis: em alguns casos levou a uma significativa perda da produção, noutros casos não teve consequências negativas nem na quantidade nem na qualidade do produto. Todavia, uma vez que é frequente em áreas húmidas, pode apanhar os vitivinicultores desprevenidos, sendo importante reconhecê-la para saber tratá-la. 

 

Quais são os sintomas do Black-rot ou podridão negra

Os sintomas da podridão negra podem ser identificados nas folhas, nos bagos e em todo o cacho. 

 

Embora os sintomas das folhas sejam os mais evidentes, o real dano vem dos sintomas nos bagos. Muitas vezes, os bagos estão a meio caminho do crescimento: as pequenas lesões castanhas das folhas começam a aparecer nos bagos, dando origem a áreas moles que apodrecem em poucos dias. O que resta do bago murcha, transformando-se em um fruto minúsculo e duro que se assemelha a passas e é coberto por corpos frutíferos de fungos. 

 

Consoante a parte da videira afetada, a podridão negra apresenta os seguintes sintomas: 

 

  • nas folhas surgem manchas necróticas de forma arredondada, de tamanho que vai de alguns milímetros a alguns centímetros, apresenta coloração castanha com bordas tendendo ao violáceo. Para entender se é mesmo podridão negra, verificar se há formação de pequenas pústulas escuras típicas da doença; 
  • os bagos são a parte mais afetada pela podridão negra: desidratam e mumificam, assumindo uma tonalidade castanho-clara. As pústulas pretas típicas também aparecem neles; 
  • os bagos afetados pela podridão negra, inicialmente, são pontos isolados e pontuais, mas lentamente, aumentam em número, atingindo todo o cacho. 

 

A podridão negra não é uma doença de fácil combate. Na verdade, tanto as pústulas pretas (picnídios) quanto os bagos murchos atuam como focos e propagam a infeção graças à ajuda da humidade, das chuvas mesmo se ligeiras dos nevoeiros matinais e da rega. A partir da brotação na primavera e até meados de julho, a chuva abre os ascos contidos nos peritécios, libertando os ascósporos que, levados pelo vento, chegam às folhas e aos frutos, dando origem a uma infeção primária (a incubação pode durar de 8 a 28 dias). Aparecem então as manchas sobre as quais se formam os contagiosos picnídios, cujos conídios são responsáveis ​​pelas infeções secundárias que tem origem ao longo de toda a estação quente, quando chove.

 

Como tratar o Black-rot: produtos e tratamentos

As condições ideais para a propagação da podridão negra são temperaturas entre 20 e 26°C e folhas molhadas ao longo de 6-7 horas. 

 

Mas como tratar a podridão negra na vinha? Primeiramente, antes de falar em tratar, é preciso falar de prevenção. Abrir/arejar a folhagem, remover bagos e cachos infetados, bem como os restos de poda, é fundamental. É então possível implementar uma estratégia de luta anti-míldio (geralmente com cobre) ou anti-oídio (geralmente com enxofre). Finalmente, são úteis para combater as infeções em curso, produtos com difenoconazol, fenbuconazol, miclobutanil, penconazol, tetraconazol e trifloxistrobina. 

 

O principal aspeto, porém, é representado pela higiene. Embora estejam disponíveis numerosos fungicidas para a gestão da podridão negra, a importância das condições higiénico-sanitárias não pode ser subestimada: uma adequada limpeza é capaz de limitar a quantidade de inóculo de podridão negra no vinhedo. Em particular, a remoção das varas infetadas através de podas durante o período de dormência reduzirá o nível de inóculo durante o inverno. Todavia, a parte mais contagiosa na vinha são os bagos e os cachos murchos, que podem cair para o chão ou ficarem retidos nas folhas. A remoção das múmias presas nas folhas e das varas afetadas é um passo fundamental. Outras ferramentas de luta preventiva são a movimentação do solo antes do rebentar da vegetação e pela desfolha primaveril após o primeiro tratamento contra a podridão negra. 

 

No entanto, mesmo as melhores práticas higiénico-sanitárias deixarão inevitavelmente algum inóculo na vinha, o que torna necessário o uso de fungicidas. Como a produção de esporos atinge o pico logo antes do período de floração, a melhor época para aplicá-los será nos dias imediatamente anteriores até duas semanas após o início da floração. 

 

 

ASSUNTOS RELACIONADOS